AS MUSAS DO SÉCULO XX: MARIA CALLAS

 

Captura de Tela 2016-05-15 às 9.35.26 PM

A ÚNICA MARIA CALLAS

 

Maria Callas foi realmente a maior cantora de ópera de todos os tempos, foi um fenômeno vocal, uma deusa no palco pois emanava uma grande energia.

Maria Anna Sophie Cecilia Kalogeropoulou nasceu em Nova Iorque em 1923, filha de imigrantes gregos. Seu primeiro contato com a música foi aos 9 anos, quando estudou piano em Nova Iorque. Aos 15 anos, após separação dos pais, volta a Grécia com a mãe e uma irmã. Lá entra para o conservatório Nacional de Atenas e começa a fazer sucesso no mundo da música ganhando vários prêmios.

Aos 19 anos encenou Tosca num teatro ao ar livre e a partir dai fez grande sucesso mas co a guerra resolve voltar para os Estados Unidos.

ITALIA 

Em 1947, Callas viaja para Italia para participar do festival de Opera de Verona onde conhece Giovanni Battista Meneghini, industrial amante de ópera, muito mais velho que ela, e este se tornaria seu empresário e marido. Meneghini foi muito importante em sua vida, além de grande incentivador e financiador de sua carreira, foi o pai que tanto lhe faltava.

 

Captura de Tela 2016-05-15 às 9.39.25 PM

Maria Callas e seu marido Giovanni Meneghini.

 

Callas tinha uma disciplina incansável. Ela era perfeita, não só pela sua técnica vocal mas revolucionou a interpretação valorizando a palavra, o que não é fácil quando se trata de ópera. Callas entrava na pele da personagem, se identificava de tal modo com a música, que num mesmo espetáculo podia mudar de fisionomia mil vezes.

 

Captura de Tela 2016-05-15 às 9.46.29 PM

Maria Callas e seu grande talento de interpretação.

 

A recompensa para tanta dedicação e trabalho veio com a consagração de diva absoluta: Callas abriu a temporada do maior templo de ópera mundial: O Scala de Milão por sete anos consecutivos. 

CARMEN DE BIZET INTERPRETADO POR MARIA CALLAS EM 1962. EXTRAORDINÁRIO!

 

Foi dirigida por Zeffirelli, em Tosca e Norma, em Londres, Paris e Nova Iorque. Luchino Visconti foi quem melhor trabalhou com Callas. Apesar de meticuloso e intervencionista, deu a Maria Callas liberdade de atuar. Com ele, ela brilhou em “La Traviata” de Verdi.

Mas como toda grande estrela Callas tinha um temperamento muito difícil, e durante sua carreira se indispôs com companheiros de trabalho e diretores.

ONASSIS 

Foi em Veneza, cidade mais charmosa e romântica do mundo, que Callas e Onassis se conheceram apresentados numa festa pro Elza Maxwell, a grande dama da sociedade americana. Callas estava no auge, seus espetáculos lotavam e sua plateia variava de Presidentes à artistas.

 

Captura de Tela 2016-05-15 às 9.38.26 PM

Maria Callas entre Onassis e Meneghini.

 

Foi numa ocasião destas que em Julho de 1954, após assisti-la cantar, que Onassis convidou Callas e o marido para um cruzeiro em seu iate  “Cristina”. Haviam vários convidados no cruzeiro inclusive Winston Churchill.

Ao final da viagem o casamento estava desfeito, dando lugar a uma paixão avassaladora entre Callas e Onassis que mudaria definitivamente os rumas de suas vidas.

 

Captura de Tela 2016-05-15 às 9.35.51 PM

Onassis e Callas na maior paixão.

 

A Partir de 1961 Callas não se apresentou mais mudando- se para Paris e se dedicando a vida mundana da cidade. Após dois anos de silencio, Zeffirelli, grande amigo e diretor, conseguiu convence-la de voltar a cantar e montou Tosca em Londres, no Covent Garden, e foi um espetáculo inesquecível.

Maria Callas representou mais e melhor que nenhuma cantora soprano ne sua época, 84 vezes com perfeição inatingivel a dificilima Norma de Bellini, 58 vezes a Tosca de Puccini.   

 

Captura de Tela 2016-05-15 às 9.47.54 PM

Maria Callas pronta para cantar na Traviatta.

 

Em 1968 aconselhada por Onassis, voltou mais cedo de um cruzeiro para Paris, e no mesmo dia, Jackie Kennedy, a viuva mais charmosa e elegante da época, embarcou no “Cristina”, e neste mesmo ano, Onassis se casaria com Jackie deixando Callas numa profunda depressão, na qual nunca mais se recuperaria.

Sua vida foi como as óperas que representou: dramática!

Apesar de todo o glamour terminou em desolação e morreu em Paris em 1977, aos 53 anos, de uma parada cardíaca consequência de uma doença degenerativa.

Maria Callas viveu um grande amor, superou obstáculos, representou com garra e paixão inigualáveis. A grande diva superou todos os limites e chegou ao merecido Olimpo morada dos Deuses gregos.

MP

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

9 ideias sobre “AS MUSAS DO SÉCULO XX: MARIA CALLAS

  1. Incrível, muito legal rever a história de Callas com essa objetividade e paixão. Lindo post MP, digno da diva que vc é.
    bjbjbj

  2. Incrível,Pia. Seus posts sobre mulheres fascinantes andam avassaladores! Para os próximos, pode ir pensando em Vivi Nabuco, Sissy…., mais das que tem minha admiração finita…!

  3. MP, que delícia de post! Saber de forma objetiva e esclarecedora um pouco mais da vida desta musa é um presente! Falando nisto, quero parabenizar vocês pelo ótimo livro 40forever! Comprei ele no embarque de uma viagem para Portugal com minha mãe, no mês passado. Cada trecho de trem, eu li um pouco até finalizar. Puro deleite foi ler este livro vendo passar as videiras do Alentejo pela janela…

    Beijos,
    Isa Ramos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *