Captura de Tela 2014-09-15 às 17.52.11

Algumas das belezuras da Andaluzia, por onde vamos flanar neste post!

 

Este post é pra nossa muito amada Cristiana Renault, que me fez voltar a um dos lugares mágicos da face da terra, voando de minha própria poltrona, sem pegar turbulência: Andaluzia aqui vamos nós!

Sortuda, fui à Andaluzia três vezes na vida e, a cada ida, aprimorei o roteiro ganhando uma certeza: Faz a a maior diferença organizarmos a viagem em ordem cronológica. A sequência dos acontecimentos está carimbada nos lugares e não segui-la dá a estranha sensação de começar pelo final.

 

Eis o quadrilátero de ouro Andaluz!

Eis o quadrilátero de ouro andaluz!

 

O clássico passeio andaluz é sempre baseado no tripé Córdoba-Granada-Sevilha. O que não nos impede de rechear o percurso central com algumas das pérolas salpicadas pelo imperdível sul espanhol. Como diz meu gurú em viagens, o “Guia Visual da Folha”, na Andaluzia encontramos “todos os estereótipos da Espanha: toureiros, praias, flamenco, vilarejos de casas brancas, casas em cavernas, fiestas exuberantes, procissões religiosas, tapas e xerez”.

Vamos ao roteiro, com a ressalva: melhor começo é mesmo por Madrid, porta natural de entrada à Espanha. Aconselho a fazer o trecho Madrid/Córdoba no maravilhoso trem local (TGV), pois é quase um ritual de iniciação seguirmos o percurso pelo chão, para irmos entrando no clima e chegarmos à Córdoba antes do pôr do sol.

– CÓRDOBA:

 

mezquita-cordoba

O impacto que este “coqueiral” de colunas provoca é inenarrável!

 

Sede do poderoso Califado mouro que se estabeleceu no sul da Espanha, no começo do século VIII, Córdoba foi a primeira capital andaluz. Situada ao norte da região, é ideal hospedar-se no centro histórico pois concentra a maior parte das atrações. Dois dias e três noites são perfeitos para darmos conta de seu lindo recado.

No primeiro dia, acorde cedo e vá dar um “rolé” de charrete, é tão romântico… Volta-se no tempo mesmo à la Julio Verne, a cidade é linda e bem conservada. Depois do almoço, hora de trabalhar. Conheça o maravilhoso “Alcazar de los Reyes Cristianos”, com sua construção imponente e jardins lindos. Na volta pro hotel, pare em um dos bares de tapa da cidade para uma boquinha acompanhada de um xerez: abre o seu apetite e é delicioso.

Dia seguinte, vá direto conhecer a maravilhosa “Mezquita/Catedral”, um dos pontos altos do roteiro andaluz, quanto mais cedo menos gente: seu queixo vai despencar com tanta beleza! Visita terminada, vá passar o resto do dia na “judería” local, sem lenço nem documento. É divino flanar por suas ruelas bordeadas pelo casario mais encantador, as portas abertas revelando aos turistas seus famosos pátios, lindamente floridos. Inolvidable!

– GRANADA:

 

Sua majestade o Palácio do Alhambra ao cair do sol: Uma das maravilhas deste mundo!

Sua majestade o Palácio do Alhambra ao cair do sol: Uma das maravilhas deste mundo!

 

De Córdoba à Granada, há dois meios de transporte e uma certeza: Independente da escolha, trem ou carro, é muito mais agradável a viagem por terra. Bom ficar por aí duas noites e um dia.

Saindo pela manhã, ainda dá pra almoçar no destino, de preferência no charmoso bairro Albaicín. Depois, para digerir em grande estilo, passeie por este canto divino de Granada. Suas vielas são cheias de surpresas e belezuras, como os cármenes, casarões típicos com jardins de tirar o fôlego. Se aguentar, suba até o Mirador San Nicolás e vislumbre o majestoso Alhambra, de preferência no por do sol.

Dia seguinte, dedique-se inteiramente à cereja do bolo andaluz: o palácio do Alhambra e Generalife. Nada a comentar, só vendo!!!

Para fechar com chave de ouro cravejada de brilhantes a sua estada, vá assistir a um espetáculo de flamenco em Sacromonte, numa das cavernas encravadas em sua encosta onde, no passado, ciganos locais apresentavam-se espontaneamente. Informe-se no hotel pois a qualidade dos espetáculos é variável, mas ainda guardam uma certa magia.

– RONDA:

 

Nenhuma foto traduz a dimensão das Cuevas de Nerja!

Nenhuma foto traduz a dimensão das Cuevas de Nerja!

 

Seguindo para Sevilha, recomendo um desvio no roteiro andaluz para conhecer uma preciosidade pré-histórica, nas redondezas de Málaga. São as monumentais Cuevas de Nerja, uma série de grandes e impressionantes cavernas, com pinturas rupestres e o maior vão coberto do mundo.

 

A deslumbrante "Praça de Toros"  em Ronda!

A deslumbrante “Praça de Toros”  de Ronda!

 

Terminada a visita, que dura de duas a três horas, siga para dormir na adorável Ronda, cidade com localização incrível e legado mouro precioso, cuja praça de touros é emblemática e a temporada em “Corrida Goyesca”, das mais concorridas do país. Aconselho um lauto jantar no inesquecível “Tragabuches”.

Acordando, dê uma passeada pela cidade e pé na estrada.

– SEVILHA: 

 

Resumo da história local, como vemos nesta foto legado romano, mouro e católico, Sevilha é a mais majestosa das cidades andaluzes!

Resumo da história local, como vemos nesta foto legado romano, mouro e católico, Sevilha é a mais majestosa das cidades andaluzes!

 

Finalmente chegamos à majestosa Sevilha, a mais “cosmopolita” das três jóias da coroa andaluz, cidade que incorpora perfeitamente a rica história da região, com legados mouro, judeu e católico, além de outras importantes atrações.

Portanto, hospede-se por três noites e dois dias completos. Podendo, dê preferência ao emblemático “Alfonso XIII”, hotel que encarna o espírito da cidade, com sua linda arquitetura mudéjar, mais móveis e objetos de época. Estando ou não sob seu teto, jante por lá no primeiro dia, é muito requintado e o gazpacho inesquecível.

Dia seguinte, primeira providência: rodar pela parte antiga da cidade a bordo de uma charrete linda e, no final, desembarcar na Praza Del Triunfo. Aí, dê um passeio a pé curtindo as fachadas lindas de seus palácios e rume para o labirinto de Santa Cruz, o velho bairro judeu local, com o firme propósito de se perder. É demais. Dá pra passar o dia inteirinho sem repetir uma casa. Antes que ele acabe, vá para o deslumbrante rio Guadalquivir e faça o passeio de “bateau mouche”: Foi daí que Colombo zarpou pra descobrir a América.

 

Os tablados sevilhanos são uma glória!

Os tablados sevilhanos são uma glória!

 

Para o segundo dia, listo as atrações que recomendo:
– A Catedral e La Gironda (Vista deslumbrante da cidade);
– Real Alcazar, fiquei boquiaberta;
– Hospital de Los Venerables;
– Plaza de Toros de La Maestranza (não perca seu charmoso museu);
– Torre del Oro;
– Arquivo das Índias.
– Feche sua festa andaluz indo a um dos maravilhosos “tablados” sevilhanos.

No mais, só o ditado “Conheça o mundo antes que o deixe”. Ele é imperdível. BN

 

Paramos aqui, no post passado, quando desembarquei neste lindo “Spring Cottage”!

 

Como contei no post “Descendo o Tâmisa”, cheguei à Cliveden House depois de navegar por quase duas horas, saindo de Windsor: estava feliz e faminta.

 

A fonte linda que inaugura o gramado que mais parece um tapete conjugado à deslumbrante casa!

 

Do lindo “Spring Cottage”, onde aportei, até a casa, percorre-se 10 minutos de carro, cruzando parte dos 370 acres de jardins e parques que compõe a deslumbrante propriedade. De natureza pujante, o bosque que acompanha a estrada é denso e constante, talvez pra preparar a nossa entrada na magnífica e gigantesca clareira que abriga o palacete e que começa numa fonte linda, continua por um imenso gramado e termina, triunfalmente, na porta da casa que mais parece um castelo, com sua serena majestade: bem vindos à Cliveden House.

 

Eis a suntuosa Cliveden House: Uma espécie de Downton Abbey da vida real…

 

Com 300 e muitos anos de histórias pra contar, ela nos recebe como se fôssemos um de seus ilustres hóspedes do passado. Construída pelo Duque de Buckingham, em 1666, Cliveden House habituou-se a hospedar a realeza inglesa, até o início do século XX, quando passou às mãos da elite burguesa americana, ao ser comprada pelos Astor. Predestinada, a clientela mudou de reis e duques para “stars” como Charles Chaplin, Bernard Shaw, Winston Churchill ou Franklin Roosevelt: se suas paredes falassem, “Downton  Abbey” estaria perdida.

 

O deslumbrante salão da casa: amo vermelho com verde limão!

 

De outro ângulo… A mesma beleza!

 

Da porta pra dentro, tudo continua lindo-maravilhoso, pontificando o visual anglo-americano, de seus últimos proprietários: na parede ao fundo do salão reina, forever,  Nancy Astor, num lindo óleo pintado pelo divino John Singer Sargent.

 

Vejam Nancy Astor pontificando nas paredes de Cliveden, até hoje, lindamente retratada pelo mestre Sargent!

 

Detalhe da escada capotante que leva ao segundo andar de Civeden!

 

Com a lareira acesa, bouquets maravilhosos e uma atmosfera de filme de época, não me senti cliente um minuto, mas uma ilustre convidada. Nesta onda cheguei à biblioteca, pra encontrar alguns minutos de descanso e um drink geladérrimo.

 

O bar montado na biblioteca: chic!

 

Depois que a gastronomia virou a oitava arte e nos leva aos confins da terra, atrás de suas estrelas, segui para o almoço, que nos esperava e onde tudo estava di-vi-no! Mas muito aqui entre nós, devo confesso: ele estava predestinado ao segundo plano… Impossível competir com os “Remains of the day”.

 

Vejam que linda a “sala de jantar”. Temos que pelejar pra lembrar que estamos num restaurante…

 

Outro recanto…

 

Esta é a vista da sala de jantar: para os lindos jardins de Cliveden!

 

Close up no meu suflê Grand Marnier: sobremesa que como rezando!

 

Fica o conselho: passe um dia de pura magia, com esta dupla dinâmica: “Boating at Cliveden” e “Cliveden House”. São, simplesmente, imperdíveis! BN

 

Termino com a elegância do senhor Manuel da Silva, nos salões de Cliveden House. Nosso querido motorista, que nos guiou por toda Londres e fora dela, sem titubear: ele fez toda a diferença!

 

CONTATO:
TEL: +44 (0) 1628 668561

SITE

 

O Suzy Ann é um dos três barcos da flotilha da Cliveden House: vejam que lindo!

 

Devo este post à minha querida amiga, Solange Medina, senhora das grandes dicas!

 

O maravilhoso Castelo de Windsor, que no dia hospedava sua senhora e Rainha Elizabeth II: Vejam a bandeira no mastro, indicando a presença real!

 

Trata-se de um passeio de barco e de sonho, pelo Tâmisa, saindo da cidade de Windsor e aportando numa casa única, para almoçar como os reis, duques, condes e grandes homens que a freqüentaram.

 

A saída de Windsor: só no Lago dos Cisnes vi tantos exemplares…

 

Falo de Cliveden House cuja construção inicial é do ano 1666, feita pelo Duque de Buckingham. Depois de cumprir uma bela história hospedando a mais ilustre nobreza inglesa, passou para as mãos da família americana Astor, quando tornou-se pouso de plebeus do quilate de Charles Chaplin ou do Presidente Roosevelt. Hoje é um hotel elegantíssimo, Relais & Chateaux, onde a fidalguia e o requinte imperam: vou mostrá-la em outro post!

 

Devidamente instalada, curtindo muito este passeio único!

 

E pra chegar até ela, em grande estilo, devemos navegar rio abaixo, de Windsor até Taplow, num barco igualmente chic, que serpenteia por aproximadamente duas horas, pelas margens do Nilo inglês, nos deliciando com uma paisagem mágica, compostas por deslumbrantes casas ribeirinhas.

 

Selecionei algumas casas pra gente ir descendo o rio, curtindo o visual…

 

O estilo normando é muito comum por lá…

 

Todo mundo sai de casa navegando…

 

Esta casa é deliciosa…

 

E esta é suntuosa…

 

Não vi um muro por lá… No máximo, cerca. Perfeito pra curtimos o cenário que a sucessão de casas oferece. Noves fora esta árvore!

 

De vez em quando, cruzamos com outros navegadores: o rio é alegríssimo!

 

A chegada à Cliveden House é majestosa, pois aportamos em um charmosérrimo “Spring Cottage”, que serve de ancoradouro e o resto… eu conto mais adiante.

 

O “Spring Cottage” da Cliveden House: podre de chic e de charmoso!

 

Peguemos a estrada que nos leva à Cliveden House: até lá!

 

DETALHES:

– Contrate um carro para te levar de Londres à Windsor e, umas cinco horas depois, te pegar em Cliveden. O ideal é deixar a capital inglesa às 10 horas. E, se você puder fazer uma extravagância, durma uma noite por lá, deve ser inesquecível.

– Contrate o “Boating at Cliveden”, como eles chamam este delicioso navegar, diretamente com o hotel. Porque há também outros barcos que fazem o mesmo percurso, mas não se comparam.

– Na onda do “jaqui”, aproveite para visitar o emblemático Castelo de Windsor,a mais antiga residência real britânica, continuamente habitada: no dia que estivemos lá, Sua Majestade a Rainha também estava. Para tanto, saia de Londres mais cedo, pois ele abre para os turistas de 9:45 até 17:15… Tem coisa mais inglesa do que este horário?! BN

CONTATO:
TEL: +44 (0) 1628 668561

SITE

 

Pousando em Amsterdam: Linda desde o primeiro minuto!

Pousando em Amsterdam: Linda desde a primeira vista!

 

Embarquei, em setembro passado, para mais uma divina aventura sob a batuta de meu querido mestre Rafael Fonseca e sua agência Vira, especializada em roteiros musicais & culturais: Foi das melhores viagens da minha vida.

 

Vista do meu quarto no elegante Hotel De L'Europe!

Vista do meu quarto no elegante Hotel De L’Europe!

 

Enquanto fechava a mala, ouvi dizer que duas semanas em Amsterdam, tempo de nossa estada, seria demais… Pois, se Deus quiser, voltarei pro muito que não vi.

 

Meu mestre de música clássica e guia predileto, Rafael Fonseca!

Meu mestre de música clássica e guia predileto, Rafael Fonseca!

 

Super bem acompanhada por amigas queridas, os dias foram dedicados às artes e turismo e as noites à música de primeira categoria, executada pelos grandes intérpretes da atualidade, numa das salas de concerto mais lindas da Europa e, certamente, a de melhor acústica: Concertgebouw… Anotem no caderninho.

 

Em C, uma das salas de concertos mais linda da Europa!

Em Concertgebouw: Uma das salas de concerto mais linda da Europa!

 

Cidade deslumbrante e uma das encruzilhadas da Terra, Amsterdam é alegríssima, civilizada, cosmopolita e, sobretudo, acolhedora. Seu povo, educado e fraterno, faz qualquer turista sentir-se em casa- E que casa: Sonho que se vive acordado!

 

Detalhe da linda arquitetura do Museu van Gogh!

Detalhe da linda arquitetura do Museu van Gogh!

 

Perder-se por suas encantadoras ruas, recortadas por canais bordeados pelas fachadas mais lindas do planeta, é obrigatório: Além de ser uma verdadeira delícia, nos dá a ilusão de sermos parte deste cenário quase irreal.

 

Flanar pelas ruas de Amsterdam é divertidíssimo: Cada esquina uma atração!

Flanar pelas ruas de Amsterdam é divertidíssimo: Cada esquina uma atração!

 

Seus museus, todos reformados e reinaugurados, bombam, com acervos de tirar o chapéu. E não é pra menos já que aí nasceram monstros sagrados como Rembrandt, Vermeer, Frans Halls, Van Dick, Van Gogh, Mondrian, só pra falar dos “carros chefes”.

 

Dos maiores privilégios turísticos e culturais: Ser guiada pelo divino Mestre das artes, Fabio Cipriano!

Dos maiores privilégios turísticos e culturais: Ser guiada pelo divino Mestre das artes, Fabio Cipriano!

 

Pausa pra contar um dos grandes privilégios turísticos que tivemos, neste roteiro holandês, e que foi incorporado a alguns passeios com Rafael: Nosso guia, pelo sacro império das artes plásticas, foi nada mais nada menos que o grande Fabio Cipriano, das maiores autoridades do Brasil no assunto que, junto com Fonseca e suas palestras providenciais antes dos concertos, formaram uma dupla imbatível. Não há ignorância que resista a este dois!

 

Com "las niñas" e Ricardo Oemar, nosso guia pela Holanda. Em breve, post sobre ele!

Almoçando com “las niñas” e Ricardo Oemar, nosso guia pela Holanda: Sabe tudo. Em breve, post sobre ele!

 

Voltando à graciosa Holanda, montamos nossa base em Amsterdam e, nos dias livres, cruzamos as curtas distâncias do país, atrás de seus tesouros, a bordo da frota do super Ricardo Oemar, empresário/motorista/guia turístico de mão cheia, que tivemos a sorte de conhecer graças à gentileza de meu querido Rafael: Ele merece um post, aguardem!

Listo, a seguir, o que mais me encantou pra quem quiser um esboço de roteiro. BN

1- Os Museus: O basicão, aliás nada básico, nos levou à quatro ícones: Museu Van Gogh; Museu Stedelijk: Museu Boijmans; Museu Boijmans van Beuningen (Este em Roterdã)

2- Kröeller Müller: O Inhotim holandês. Situado a duas horas de Amsterdam, é um “must go”, seu jardim de escultoras deslumbrante e almoçar de baixo das árvores, adorável… Reza pra fazer sol!

 

Vejam a beleza do jardim de esculturas do museu Kröeller Müller, dica da antenadérrima amiga Dea Backheuser!

Vejam a beleza do jardim de esculturas do museu Kröeller Müller, dica da antenadérrima amiga Dea Backheuser! Post em breve…

 

3- “Priavate Boat Tours: Almoce ou jante (mais romântico) navegando pelos canais de Amsterdam num cruzeiro organizado pelo impecável “Private Boat Tours”: É literalmente imperdível. O chiquérrimo barco vai parando nas melhores cozinhas da cidade e nos servindo de seus mais gloriosos quitutes. Para cada parte da refeição, um endereço novo… Luxo só!

 

Nosso elegantérrimo comandante: Este tour é imperdível!

Nosso elegantérrimo comandante: Este tour é imperdível! Desta vez, foi minha amada Claudia Ferraz quem soprou a dica!

 

4- Zanzar pelo boêmio “De 9 Straatjes” ou “The 9 Streets”: Melhor que pão com ovo caipira!

5- “Museum of Bags and Purses”: Como ninguém é de ferro, uma certa “hora do lanche” cai muito bem, e esta jóia do ramo das bolsas é imperdível.

 

IMG_9167

Este é o Museu Tascher só sobre as nossas preciosas… bolsas! Tem cada pérola inimaginável. Post em breve!

 

6- Delft: A hora e meia de Amsterdam, Delft é a capital da porcelana deutch e o passeio adorável. Saímos direto para a fábrica e depois almoçamos “by the river”: Por lá os canais também pontificam.

 

Na praça principal da feérica Delft: Visitar a fábrica de porcelana e almoçar por lá foi um programaço!

Na praça principal da feérica Delft: Visitar a fábrica de porcelana e almoçar por lá foi um programaço!

 

7- Moinhos de vento: Passeio lindo para a Holanda do nosso “imaginarium”; seus moinhos de vento são atração encantadora. Se der tempo, vai conhecer uma fábrica de tamancos de madeira. Amei!

 

IMG_7378

É lindo o campo holandês: Aqui fazendas com seus moinhos!

 

IMG_8994

Tamancos de madeira pintados, que eu não via desde a febre carioca da loja “Smuggler”… Quem lembra?!

 

8- De Librije + De Waanders: Localizado na pacata cidade Zwolle, De Librije é o único e maravilhoso 3 estrelas do país (Rafael reservou a mesa do chefe, em plena cozinha, e deu para seus seguidores este presente inesquecível, almoçar sob o comando do chefe. Pra fazer a digestão, flanamos até nos depararmos com a livraria mais arrebatadora que conheço. Post em breve!

 

Posando pro 40Forever, o chefe três estrelas Jonnie Boer, que junto com a mulher Theresse, arrasam. Vale a pena a ida a Zwole!

Posando pro 40Forever, o chefe três estrelas Jonnie Boer, que junto com a mulher Theresse, arrasam. Vale a pena a ida a Zwolle!

 

Pra fazer a digestão, nada melhor que zanzar por Zwolle: Deparar-se com esta igreja que virou livraria, por exemplo, é sensacional!

Pra fazer a digestão, nada melhor que zanzar por Zwolle: Deparar-se com esta igreja que virou livraria, por exemplo, é sensacional!

 

9- BRUGES: Pra quem não conhece uma das jóias da coroa belga, eis uma grande oportunidade: A duas horas e meia de Amsterdam chegamos a uma das mais charmosas cidades européias, trafegando por estradas lindas e seguras. Vale a pena. Chegando lá, deixe a vida te levar. Você não vai se arrepender!

 

Vejam o visual de um dos parques da bucólica Bruges, na Bélgica: Dá pra ir passar o dia!

Vejam o visual de um dos parques da bucólica Bruges, na Bélgica: Dá pra ir passar o dia!

 

CONTATOS:
RAFAEL FONSECA E AGÊNCIA VIRA
KRÖELLER MÜLLER MUSEUM
PRIVATE BOAT TOURS
THE 9 STREETS ROYAL DELFT EXPERIENCE
MUSEUM OF BAGS AND PURSE (TASSEN MUSEUM)
DE LIBRIJE

 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...