LOVELY BOND!

The name is Bond, James Bond: uauuuu!!!

 

Fui ver o novo James Bond, no seu primeiro fim-de-semana em solo brasileiro, e pasmei: até lágrimas ele arrancou de quem não é muito lá dessas coisas…

 

Só nosso herói pra dar uma voltinha de moto pelo…. Gran Bazaar!

 

Atípico, o filme não desgarra-se de seus confrades de série quando roda o mundo, sob a batuta de Sam Mendes e ação de primeira categoria: da eletrizante cena inicial pelos telhados do Gran Bazaar, em Istambul, ao deslumbrante ballet, de silhuetas e luzes, projetado nos esculturais prédios da modernérrima Xangai, Mendes filma com pulso, sem esquecer e relevar a beleza, presenteando o espectador com um verdadeiro show de imagens.

 

Como nós, James Bond é 40FOREVER: tudo de bom!

 

Mas as pitadas de saudosismo e até ternura de Skyfall, filme que comemora o cinquentenário do agente secreto mais sexy do planeta, me surpreenderam por provar que, depois de tantas aventuras, ainda há como inovar a velha e deliciosa fórmula. Assim, adorei saber de dados biográficos de Bond, até então guardados a sete chaves e que foram revelados pra justificar traumas de infância: o melhor dos machões no divã, pode?!

 

O hilário encontro de Bond com Q (responsável pelo arsenal hightec de 007 neste filme) ou da tradição com a modernidade, em plena National Gallery: lugar emblemático reforçando tese…

 

Também curti muito o duelo, quase filosófico, sobre as vantagens e desvantagens dos 40FOREVER X 20FOREVER: astúcia X força, sabedoria X vigor, vintage X novo, e confesso que me emocionei, literalmente, quando a grande atriz “sheakspeareana”, e nas horas vagas M, Judi Dench, recita magistralmente um trecho de  Ulisses (o grego que venceu Tróia pela inteligência), do poeta inglês Alfred Tennyson, justificando o herói, na “terceira idade”, enquanto Mendes mostra nosso 007, em ação e sentindo o tranco dos anos:

 

Eis a cena pra qual é recitado o lindo poema abaixo: os piadistas não perderam a oportunidade mas eu, que amo uma boa sacada, aplaudi de pé!

 

“Não somos mais aquela força dos velhos tempos;
quando movíamos céus e terras,
hoje somos o que somos;
corações heróicos e um único caráter;
enfraquecidos pelo tempo e destino,
mas fortes na vontade;
para lutar, buscar, encontrar, e não se render”.

 

O vilão Silva, magistralmente interpretado por Javier Barden, assediando o nosso agente preferido…

 

Termino aplaudindo um elenco espetacular que fez um bom roteiro virar um filme maravilhoso e que, não à toa, bateu recorde de bilheteria na seletiva Inglaterra:

Daniel Craig, definitivamente já é Bond, James Bond;
Javier Barden, recupera o brilho de um vilão à altura do mocinho;
Rauph Fiennes e sua elegância não perdem um papel limítrofe;
Judi Dench, repito, é diva;
Albert Finney, que demorei para identificar, fecha o filme com maestria!

 

Não posso deixar de fora da lista dos melhores do filme o divino Aston Martin DB5, que roubou a cena: na foto, com o igualmente tudo de bom, Daniel Craig!

 

Skyfall vale cada “penny” da sua entrada! BN

 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

12 ideias sobre “LOVELY BOND!

  1. Bebel,desse jeito vc pode ser critica de cinema e das boas!!!Sintetizou tudo divinamente e colocou água na boca de quem ainda não foi assistir,se eu não tivesse ido no primeiro dia ,iria agora mesmo depois de ler o que vc escreveu!!!O filme é mesmo SENSACIONAL ,James Bond e Silva,cada um a seu modo, tentando resolver seus complexos de Édipo com a M.Bjsssssss

  2. Minha Divina BN voçe é a melhor crîtica de cinema que ja lî ,alem do mais ,em “primeira mào “pois morando em Paris ,sô hoje consegui entradas para o 007 ,depois da tua descriçâo ,acho que vou chegar antes da hora !!! Sw

  3. Oi “40 Forever”. Vi o filme e amei. Adoro 007. A corrida de moto foi um show. O Javier Barden fazendo o vilão tb foi um show a parte. A matéria de vocês está bem fiel ao filme. Parabéns.Bjs BP.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *