O NAPA VALLEY NÃO “VALEI” QUANTO PESA!

 

Bebel Niemeyer no Robert Mondavi Winery.

Amo os Estados Unidos pela sua eficiência, espírito empreendedor e sua falta de pudor pra ser feliz …ou ao menos tentar! Sempre fiz viagens maravilhosas para o país do Tio Sam, aprendi horrores por lá e me diverti muito! Mas cofesso que me decepcionei com  o vale dos vinhos, uma espécie de parque temático, a Disney de Baco!

Passei dois dias visitando o vale californiano, em novembro passado, depois de uma semana em São Francisco e arredores, terra cheia de personalidade e um astral vintage único: Talvez o contraste tenha pesado ainda mais no meu julgamento!

Existe uma avenida principal que vai e vem e abriga todo o trânsito da região. Ela é cheia de vitalidade e destituída de charme, sem nenhuma estradinha vicinal pra gente se perder, nenhum recanto lindo de estatelar, fiquei em estado de alerta. À medida que o carro andava, mais a artificialidade do lugar impressionava: Tudo previsível e/ou revelado, nenhum  hotelzinho aconchegante ou restaurante familiar encantador , nada de raízes, de tempo passando ou improvisação. Por lá, a escala é industrial e “time is money”!

Os vinhedos são um parágrafo à parte: A grande contribuição de Napa à vinicultura é a ode ao mediano, em detrimento à excelência. A meta é a produção em série ou a massificação do venerado néctar, sem terroire nem cerimônia: Ok, Opus One é um bom vinho, punto e basta …Como me lembrei e louvei Jonathan Nossiter e seu Mondovino! (Se estou sendo injusta e existe um Napa secreto, porque alguns amigos que preso amaram, mil perdões, mas eu não o conheci.)

Enfim, como nunca tudo está perdido, descobrimos um lindo e afastado vinhedo que possui um museu de arte moderna e contemporânea de se tirar o chapéu! Decididamente, não perdemos a viagem por conta dele: É a Hess Collection Winery, que mostrarei num post adiante! BN

CLIQUE AQUI PARA VER O MELHOR DE NAPA! 

 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

3 ideias sobre “O NAPA VALLEY NÃO “VALEI” QUANTO PESA!

  1. Bebel querida, parabéns pelo blog – interessante e bastante eclético. Qto a Napa Valey, concordo com você em parte. De fato, além de faltar um certo charme espontâneo, visualmente, pela estrada, achei que minhas expectativas eram maiores e não fiquei especialmente arrebatada com a beleza da região. Nós cariocas somos exigentes com belezas naturais 🙂
    Mas gostei do passeio de balão que fizemos. Sensacional! Sobrevoamos as videiras de pertinho, também vimos a região do alto inteiramente desenhada pelas plantações. E o silêncio? Uma calma… É um programão. Vale a dica para a próxima vez. Bjsss

  2. Bebel, q bom ver q vc disse o que eu pensei. A minha visita tem tempos, mas achei exatamente isso. Poderia ser mais bacana. Principalmente comparando com as vinículas da África do Sul – q ñ são tão modernas, mas muito charmosas, com jeito verdadeiramente de campo. Não conheço na Itália – como será por lá ? Bjo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *