Expô de Maitê QM em NYC!

 

BELEZA + COMPETÊNCIA + ENCANTO = MAITÊ QUEIROS MATTOSO, que satisfaz com louvor à equação proposta acima: é linda, gente finíssima e artista maravilhosa.

 

 

E por falar em sua arte, mais uma vez nosso BLOG que é fã de carteirinha e da Maitê, mostra sua última e elogiadíssima exposição, na descolada Galeria Montserrat, Chelsea, NYC, pode ser mais chic? Curtam muito!

 

Diptico em óleo sobre tela super visual!

 

Maitê curtindo sua arte!

 

A também maravilhosa Adriana Quattrone, curtindo o show da mãe Maitê!

 

 

Queridíssima, sua vernissage bombou de amigos/ fãs. Mostro nas fotos! BN

 

Bruno Massa, o curador da linda expô, recebe o casal cooooll Cristine e Carl Bernstein, ele é o jornalista de Watergate, pra quem não estiver ligando o nome à pessoa…

 

Maitê entre Moema Jafet e Guida Carvalhosa, chics!!!

 

Pilar Rossi e Adriana Quatroni, lindas!

CONTATO:
GALERIA MONTSERRAT
543, W-27st, Chelsea, NYC 

 

Maravilhosa Adriana Varejão!

 

 

Fui conferir, com minhas 20FOREVER, a linda retrospectiva da artista plástica carioca, Adriana Varejão e saí encantada pelo conjunto de sua obra: forte, visceral, vibrante, de uma plasticidade incrível, sendo também delicada e feminina, amei…

Vinda do MAM  de São Paulo (post de MP maravilhoso), com curadoria de Adriano Pedrosa, com algumas modificações, a exposição “Histórias às Margens” fica no MAM carioca até o dia 10 de março e é mais um programaço cultural pra quem estiver numa de “off Sapucaí”.

Escolhi pra fotografar algumas obras que “suspeitei” serem inspiradas no Rio, pra vocês se animarem a ir curtir tantas belezas. Vejam…BN

 

SOBRE O RIO ANTIGO:

 

 

 

 

 

AUTO RETRATOS:

 

 

 

 

 

 

RIO DE AGORA E SEMPRE:

 

 

 

 

 

A artista maravilhosa Adriana Varejão com o craque Jonas Bergamin e eu.

 

 

Beleza de arte de Henrique de Oliveira! BN

 

Feriado à vista, precisamos organizar a nossa programação, eu e os cariocas que não vão viajar neste carnaval mas que declinarão dos três dias de folia. Nada melhor, então, que programas culturais que fazem e descansam as nossas cabeças exauridas do batidão do dia-a-dia: “peguemos” um cineminha e/ou façamos um tour pelos museus, galerias e centros culturais.

Para nos dar uma divina dica do que ver, volta ao BLOG hoje, para nossa alegria, a maravilhosa Vanda Klabin, contando sobre sua mais nova curadoria. BN

 

HENRIQUE DE OLIVEIRA, por VANDA KLABIN!

“Inquietas por natureza, as obras de Henrique Oliveira parecem ignorar equilíbrio e estabilidade, nunca estão apaziguadas. São superfícies conflituosas em permanente pulsação, desarmando a inércia do nosso olhar cotidiano. Henrique Oliveira solicita que o espectador abdique de suas noções convencionais de espaço e se entregue para uma nova experiência que sinalize o mundo real com suas fissuras, tensões e enigmas a serem decifrados. A maior parte de suas obras, repletas de membranas e camadas, conduz a um jogo perceptivo: grandes blocos de madeira estão dispostos no espaço, e a nossa percepção é colocada em xeque e se revela tensionada, entre um fluxo orgânico e a matéria.

 

A sua formação acadêmica foi em artes plásticas – pintura e poéticas visuais –, mas foi o tecido da vida urbana que despertou o seu interesse, criando um novo espaço para a arte transitar. Essa tessitura anônima, essa espécie de ordem desordenada, esse enxergar pelas fendas as frações do caos urbano são apropriados pelo olhar do artista como um ingrediente ativo para o seu trabalho.

 

A madeira é a superfície mais ativa e presente. As suas obras realizadas com tapumes parecem guardar a imediaticidade da experiência, reter o singular. A madeira é obtida após um grande processo de garimpagem, recolhida nas ruas ou oriunda do descarte de materiais de construção. É um trabalho que se constrói a partir do recolhimento de restos do passado. Seu vocabulário traz uma reunião poética de elementos pertinentes a uma realidade urbana: corta fragmentos de madeira como uma colagem às avessas, desloca os tapumes do contexto original e os ressignifica, criando cicatrizes abertas que seguem o curso do imprevisível.

 

Nos zigue-zagues de sua trajetória, problematiza e tensiona as suas obras tridimensionais pela adição, acumulação e saturação dos elementos, verdadeiras construções espaciais, criando novas experiências perceptivas. Seus trabalhos lançam mão de recursos centrais da arte de nossos dias: a intervenção no espaço expositivo, as grandes dimensões, o rigor no uso de materiais inusitados, uma consciência aguda da história da arte e do lugar que ocupa nela, um diálogo culto com diferentes ressonâncias da arte contemporânea.

A sua pintura, com vibrantes contrastes, harmonias dissonantes, grumos espessos e com alta voltagem cromática, tem uma conotação ambígua e é também transformada em linguagem tridimensional a desdobrar-se no espaço. Apresenta planos populosos, superfícies ofegantes com pequenos núcleos de saturação pictórica. Enfatiza a matéria com grossos impastos irregulares, múltiplas camadas, e as pinceladas vívidas, nervosas, criam uma espécie de engarrafamento cromático nas suas linhas escorridas e ondulantes.

 

Sua arte tem frescor, força estética, gosto pelo improviso, urgência e intensidade. A presença enigmática de sua obra, o agenciamento e a aglomeração de fragmentos que se agregam para formar unidades intensas são dissonâncias que estão sempre materializando um gesto novo, uma zona de turbulência quase desconfortável. A constituição precária e ancestral da madeira e a pintura que se constrói e se reconstrói como uma malha flutuante detêm um conteúdo, uma história e uma verdade que são impressos no mundo. O fluxo poético de seu trabalho tece um imprevisível diálogo visual, que irradia um ímpeto contemporâneo e uma energia plástica que se mantém aberta às experimentações”. Vanda Klabin

 

 

 

CONTATO DE VANDA KLABIN
Tel   +55 (21) 2267-2662
+55 (21) 2522-5624
Fax  +55 (21) 2523-9335
Cel   +55 (21) 9986.9256
vklabin@terra.com.br
vklabin@gmail.com

 

 

Amo os trabalhos artísticos em papel porque acabamos tendo com eles uma relação mais íntima, como se fossem amigos mais frágeis e necessitados. Assim, aos cuidados diferenciados que eles solicitam vai junto a nossa atenção especial e tornam-se muito mais presentes do que aquela escultura valiosa e eterna que enfeita o jardim, quase órfã.

Ilustro esta introdução com uma linda exposição que vi, na maravilhosa MUL.TI.PLO Espaço Arte, no Rio de Janeiro e convidei, pra falar sobre ela, o amigo querido do BLOG e sócio da Galeria, Luis Carlos Nabuco. Curtam!

LUIS CARLOS NABUCO:
“A exposição Múltiplos + Múltiplos, reune  artistas  como  catalão Antoni Tàpies, o espanhol Jaume Plensa – que trouxe para o Rio, no mês passado, a gigantesca escultura Awilda, exposta na Praia de Botafogo –, o alemão Josef Albers, o chinês Huai-Qing Wang, o venezuelano Cruz Diez, o americano Frank Stella, o búlgaro naturalizado americano Javacheff Christo e o catalão Riera i Aragó que se juntam a grandes nomes brasileiros como Daniel SeniseCildo MeirelesMarcos ChavesWaltércio CaldasBeth Jobim e Gabriela Machado ocupando todo a galeria.

Com esta  segunda edição da mostra – que, no ano passado, comemorou o primeiro ano da galeria-  a mul.ti.plo quer  firmar sua proposta de ser um espaço que tem por objetivo sempre apresentar ao público uma nova faceta de artistas plásticos conhecidos com sua produção em múltiplos, sejam gravuras ou objetos.

Um espaço diferenciado, onde cada exposição traz uma abordagem nova, sempre aliada à qualidade!  Esperamos vocês!!”. LCN

ALGUNS TRABALHOS EXPOSTOS:

Beth Jobim
Data: 2012
técnica: gravura em metal
Dimensão: 40 x 110cm

 

Marcos Chaves
conjunto de 4 gravuras medindo cada uma 30 x 40cm
gravura em metal
Edição de 40 cada
2012

 

ABAIXO:
Cruz Diez
Data: 2012
Técnica: Litografia
Dimensão: 100x25cm
Edição: 75

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...