UMA CURIOSA EXPO EM VERSAILLES!

A craquérrima Vanda Klabin visita nosso BLOG e dá mais um show de conhecimento…

Depois de um longo e tenebroso inverno, pelo menos para nós que estávamos saudosíssimas de nossa musa das artes plásticas, volta ao BLOG depois de um rolé pela Europa, a querida Vanda Klabin. E já chega abafando com o relato de uma exposição que está dando o que falar na França! Vamos curtir seu relato… BN

VANDA KLABIN: JOANA VASCONCELOS EM VERSAILLES!

A divina Joana Vasconcelos, exuberante como sua obra! BN

“Joana Vasconcelos, artista portuguesa,  é a primeira muher a expor nos Grandes Apartamentos e nos Jardins do Palácio de Versailles, dentro do programa experimental de arte contemporânea em diálogo e em confronto com a arquitetura desse  histórico e emblemático espaço da cultura francesa. Iniciado em 2008,  ali já tiveram suas obras espostas: Jeff Koons, Xavier Veilhans, Takashi Murakami, Beranard Venet.

O músculo principal dessa exposição é o aspecto feminino, “interpretar a densa mitologia de Versailles e transportá-la para a contemporaneidade, evocar a presença de importantes figuras que habitaram o palácio, apoiando-se na minha identidade e na minha experiência como mulher, portuguesa, nascida na França será, certamente, o desafio mais fascinante da minha carreira”, afirma Joana.

Joana apresenta 15 trabalhos com intensa conotação portuguesa  e o país está no centro do seu discurso artístico. Ela utiliza objetos essencialmente femininos como leques, perucas, delicadas rendas e crochês, que entram em relação com diferentes aspectos da particular gramática do palácio e sua exuberante riqueza decorativa, gerando uma reflexão sobre a arte contemporânea e a identidade européia. Segundo o curador, seu trabalho  é  uma reapropriação de objetos do cotidiano de forma inventiva e inesperada, com uma reinvidicação  feminina e irônica. A escolha de materiais reflete a diversidade da cultura portuguesa, presentes nas rendas do Pico, nas tapeçarias de Portalegre, nos têxteis de Nisa, na filigrana de Viana, nas panelas Silampos, na louça de Vista Alegre. Essa louça foi usada no jantar de inauguração da mostra, com menu elaborado pelo chef português portador uma estrela no Michelin, José Avillez.

Este lindo lustre é todo feito por tampões higiênicos… Foi retirado da exposição! BN

Por ironia, a última rainha que viveu nesse palácio, Maria Antonieta foi decapitada e a exposição de Joana também, já que uma das obras mais importantes da artista, “A Noiva”, um imenso lustre feito com casacatas de vinte mil tampões higiênicos femininos ( OBs) pendentes que invocam o universo cândido das noivas, obra apresentada na Bienal de Veneza em 2005, foi decapitada, isto é, retirada do conjunto da mostra por ter sido considerada inconveniente, fato que muito desagradou a artista que considera a obra como parte do seu discurso feminino. A exposição teve um custo de dois milhões de euros.

Detalhe do lustre… BN

( Vanda Klabin acaba de nos avisar que a obra “A Noiva”, que você vê acima, vai ser exposta no espaço alternativo de arte Centaquatre, em Paris, dos dias 5 de julho a 18 de setembro. Me lembrei do famoso “Salon de Refuses” que abrigou na mesma Paris, há cento e vinte anos, os primeiros impressionistas, pintores malditos de então… BN)

Em 2013, Joana Vasconcelos irá representar Portugal na Bienal de Veneza, em Itália. Joana Vasconcelos nasceu em Paris, em 1971. Vive e trabalha em Lisboa.

PERCURSO DA EXPOSIÇÃO:

O palácio da Versailles que abriga a maravilhosa exposição que Vanda Klabin nos mostra a seguir! BN

MARY POPPINS, 2010  – Escalier Gabriel

É um quase objeto-lustre, um vasto corpo tentacular e colorido, criado a partir da combinação de tecidos e objectos pré-existentes, produzidos em série, com têxteis realizados manualmente em tricô e crochê, pendurado no teto. Mary Poppins – anjo da cultura popular dos tempos modernos – remete ao  arquitecto que desenhou a escadaria  da sala, Ange Jacques Gabriel.

CORAÇÃO INDEPENDENTE PRETO, 2006 – Salon de la Guerre

CORAÇÃO INDEPENDENTE VERMELHO, 2005 – Salon de la Paix

As obras reproduzem dois enormes corações de Viana – peça icônica da filigrana portuguesa –,e propõem duas versões monumentais em vermelho e preto, cores que reportam à paixão e à morte.

A forma dos corações é preenchida por milhares de talheres de plástico e correntes metálicas. Suspensas a partir dos respectivos eixos, os dois corações executam um movimento de rotação, evocativo dos ciclos da vida. Uma  instalação sonora composta por canções interpretadas por Amália Rodrigues, diva da música portuguesa,  acompanha essas obras e dialoga com as temáticas da paz e da guerra, presentes nas eloquentes pinturas de Charles Le Brun e François Le Moyne. As obras encontraram o título – Coração Independente – num dos versos do fado Estranha Forma de Vida cuja lírica aponta ao conflito entre emoção e razão.

MARILYN (PA), 2011 – Galerie des Glaces

Um  monumental par de sandálias de salto alto,  feitas de panelas e tampas em aço inoxidável, material resistente como as armaduras e escudos dos guerreiros que combateram nas guerras históricas.  O par de sandálias remete ao gigantismo das  conquistas femininas e às glórias que Luís XIV quis celebrar através nas pinturas de Charles  Le Brun que decoram a sala, agora repetidos em um desconcertantante jogo de reflexos  na fria superfície metálica de Marilyn

PERRUQUE, 2012 – Chambre de la Reine

De  forma ovalada e inspirada na exuberância dos penteados que se exibiam em Versailles, este estranho casulo de vinhático,  vagamente referenciável aos ovos de Fabergé –  é  pontuado por excêntricas protuberâncias de onde irrompem fios  de cabelos loiros artificiais. Essa escultura-peruca-mobiliário, na sua  forma uterina e decorada com  aplicações metálicas douradas, trazem a reminiscência dos mobiliários português /francês e discursa sobre  os dezenove partos que tiveram lugar no Chambre de La Reine, entre eles os nascimentos dos futuros Luís XV e Luís XVI.

LE DAUPHIN, 2012 . LA DAUPHINE, 2012 – Antichambre du Grand Couvert

Duas enormes lagostas de faiança desenhadas por Rafael Bordalo Pinheiro – importante artista português do século XIX, pintadas e recobertas por uma  delicada  renda em croché dos Açores, colocadas frente a frente,  em contraste com as representações bélicas no teto,  parecem aguardar a chegada dos monarcas onde a refeição real será servida.

GARDES, 2012 – Salle des Gardes de la Reine

Dois robustos leões, símbolos do poder patriarcal, feitos  em mármore negro Port Laurent, do Paquistão, cobertos por uma segunda pele em  renda em croché branco dos Açores, foram colocados lado a lado como sentinelas,  fiéis guardiões das conquistas femininas.

 VITRAIL, 2012 – Escalier de la Reine

A textura quente dessa monumental tapeçaria – que traz um efeito de vitral pela policromia do desenho,  foi produzida em colaboração com Manufactura de Tapeçarias de Portalegre, cidade portuguesa do Alto Alentejo e contrasta  com as frias superfícies marmóreas da escadaria.

GOLDEN VALKYRIE, 2012 – Galerie des Batailles

VALQUÍRIA ENXOVAL, 2009 – Galerie des Batailles

ROYAL VALKYRIE, 2012 –  Galerie des Batailles

Na Galerie de Batailles, onde se encontram trinta e cinco grandes pinturas que relatam  um grandioso  resumo da história militar francesa, estão sobrevoando as majestosas Valquírias de Joana Vasconcelos que parecem procurer ali , os mais bravos e valorosos guerreiros mortos em combate.

Gravitando no espaço, os enormes corpos têxteis de Royal ValkyrieGolden Valkyrie,eValquíria Enxoval recrutam técnicas artesanais de um trabalho  tradicionalmente feminino combinando-as com materiais e objetos diversos. Joana reinterpreta a moda palaciana de Versailles, recuperando o luxo e a exuberância dos brocados de motivos florais, contrapondo  a riqueza e a falsa aparência.

Golden Valkyrie referencia o ouro, o mais precioso dos metais, fazendo conviver o brilho de tecidos dourados nobres com  crochê de lã feito à mão

Valquíria Enxoval aponta para uma estética do meio  rural, exibindo cores, motivos e técnicas tradicionais de Nisa, pequena cidade  do interior de Portugal, conhecida pela riqueza do seu artesanato.

Royal Valkyrie é uma obra fita em crochê  e tecidos, produzida  em colaboração com as artesãs de Nisa

LILICOPTÈRE, 2012 – Salle 1830

Um helicóptero Bell 47, revestido a folha de ouro e decorado com milhares de brilhantes Swarovski , é recoberto por  penas de avestruz em tons salmão, rosa e laranja. O interior,  suntuoso,  é decorado com madeiras trabalhadas e dourados e tapetes Arraiolos

Essa obra que encena a mais desconcertante aproximação ao universo estético de Versailles  e toma emprestado a  estética da realeza do fim do Antigo Regime. Lembra uma máquina do tempo que transporta a rainha c francesa até à cena contemporânea.

Obra produzida com a colaboração da Fundação Ricardo do Espírito Santo Silva, Lisboa

BLUE CHAMPAGNE, 2012 – Parterre d’Eau

Instaladas em cada um dos dois  lagos em frente ao terraço, é   um obra monumental constituída por duas estruturas verticais gêmeas, que resultam da acumulação de milhares de garrafas de champagne Pommery feitas em ferro metalizado iluminadas a partir do interior por LEDs de alto brilho. Visíveis, também, a partir do interior da Galerie des Glaces, as duas obras introduzem uma verticalidade contrastante com as imensas linhas horizontais dos jardins e do palácio.Blue Champagne, reporta ao primeiro  ready-made de Marcel Duchampm,  a obra Porte- Bouteilles  e aos prazeres da mesa,  tema também tratado na estatuária em frente ao edifício central

PAVILLON DE VIN, 2011 – Parterre du Midi

PAVILLON DE THÉ, 2012  – Parterre du Midi

São duas enormes estruturas em ferro forjado, dispostas lado a lado. Uma  reproduz a forma de um garrafão de vinho e  a outra, adota as linhas de um bule de chá. Essas esculturas /caramachão –receberam plantas de  videiras  e de jasmim no que percorrem as estruturas numa harmoniosa combinação entre o industrial e o natural.” Vanda Klabin

FICHA TÉCNICA:

EXPOSIÇÃO JOANA VASCONCELOS
LOCAL: Palácio de Versailles
DATA: De 19 de junho a 30 de setembro de 2012
COMISSÁRIO DA EXPOSIÇÃO: Jean- François Chougnet

Vanda Klabin, Historiadora e Curadora de Arte.

Tel: +55 (21) 2267-2662
Cel   +55 (21) 9986.9256
vklabin@terra.com.br

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

25 ideias sobre “UMA CURIOSA EXPO EM VERSAILLES!

  1. Já liguei prá uma amigas(os) arquitetos e pedi para olharem o blog de vocês! “Cês” tão que tão!
    Moro em Brasília. Maria Pia! Sucesso! Junto as parceiras.

    • ana querida, colaboro com muito orgulho e contentamento para o 40forever, que em pouco tempo virou sinônimo de sucesso. parabéns a todas vocês!!

  2. Uauuuu, que contraste!!! A suntuosidade e a elegância de Versailles, unidas ao colorido de uma arte contemporânea
    criativa. Muito interessante este post!!
    Bjs Bebel!! vabr

  3. voces são ótimas , que exposição , a das carruagens lindas. logo veremos a cura do cancer um sofrimento que aflige todos , beijos maria luiza sp

  4. Adorei a intervençao da artista, ousado e original ao mesmo tempo. Obrigada por nos brindar com fotos desta.. expo.

  5. Desde que conheci o trabalho da artista, Joana, fiquei fã!. É incrível como a arte que ela faz, conversa com os ambientes. Que audácia maravilhosa!

  6. há muito não vejo uma coleção de peças (de um mesmo artista) com tanta força e criatividade. realmente deslumbrante e parabéns vandinha e bebel por este auxilio há mais no nosso conhecimento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *