Vamos à CHINA? Com VIVI ROCHA, PARTE 1

 

Como a CHINA para mim, e para muitos, é do outro lado do mundo, nada melhor que uma pessoa querida que tenha ido até lá, para nos contar e dar todas as dicas dessa incrível viagem! Considero então, ir à China, sem sair da cadeira, um programão e um presentão, para o Dia das Mães, que vamos ganhar de nossa super correspondente “all over”, VIVI ROCHA, que nos conta em dois capítulos (afinal, o país é muito grande), o que é ir à CHINA!

AC

 

Vivi Rocha e sua grande companheira de viagem, sua filha Maria!

 

CHINA

Uma viagem à China, um pequeno resumo dos highlights deste país !

Finalmente consegui chegar neste meu tão desejado destino ! Devo afirmar, antes de tudo, que não é um destino fácil, por isso deve ser muito bem planejado e muito desejado. Começando pelo fuso horário que é mortal, pelas longas horas de voo, e passando pela dificuldade de comunicação, tudo é muito diferente. É importante saber que não dá para colocar o pé fora do hotel sem um guia, o inglês só é falado nos hotéis, e mesmo assim é complicado entender o inglês falado pelo chinês.

 

Não pretendo entrar pelas características da politica e da economia dessa gigantesca potência mas vale a pena se informar, é muito interessante,eu sempre pedia que os guias me explicassem como funcionam as coisas por lá, educação, costumes, oportunidades, disparidades de renda, luxo, pobreza,  etc…

É preciso ter espírito de turista para fazer essa viagem, mas nada que o impacto dos palácios, templos e muralhas não abrandem.

 

Pequim ou Beijing (para os locais)

Em Pequim, no primeiro dia, minha ansiedade de conhecer a cidade proibida me manteve acordada, foi um sonho realizado. Foi lá que residiram os 24 imperadores da era dinástica da China, e é o maior complexo palaciano do mundo.

 

 

 

Os muros vermelhos cercam toda a cidade proibida eles têm 10 metros de altura, uma verdadeira barreira de proteção, foram construídos para aguentar até tiros de canhão.

 

 

 

 

Em seguida, fomos ao “Templo do Céu” (Temple of Heaven), um complexo de templos Taoistas muito frequentados na era dinástica para orações pedindo a ajuda celestial para boas colheitas.

 

 

 

 

No dia seguinte fomos conhecer o Palácio de Verão, e como estávamos no inverno, nos deparamos com um palácio coberto de neve e lagos congelados, mas nada que tirasse a grandiosidade e o luxo do lugar; os príncipes costumavam passar seus verões lá.

 

 

 

 

Sempre que viajo para destinos exóticos, costumo comer nos hotéis e não gosto de me aventurar em restaurantes locais, coisa minha, sou chata para comer, por isso fui conhecer o luxuoso hotel Aman at Summer Palace, que é vizinho ao palácio. Almocei por lá, uma delicia!

Em geral os passeios são de meio dia, é fundamental não ocupar todo o dia com atividades pois à tarde o efeito do fuso bate forte, e é preciso descansar um pouco.

No terceiro dia seguimos rumo à grande muralha, nossa curiosidade era enorme, desde pequena sonhava com isso, é uma viagem cansativa de mais ou menos uma hora e meia de carro. Pequim tem muito transito, mas vale muito a pena cada minuto de exaustão.

Sugiro levar um lanchinho para comer e enganar a fome até chegar de volta ao hotel para almoçar . A muralha é de uma magnitude impressionante, a construção de seus milhares de quilômetros começou a ser construída em torno de 200 ac e terminou no século XV,  sempre com o mesmo objetivo, defender o território chinês dos invasores.

 

Acho que vale a pena sair da antiguidade e entrar na mais alta modernidade  fazendo uma visita ao estádio olímpico, apelidado de “ the Bird`s nest “, e o “water cube “ ao lado, nem que seja pelo lado de fora. A China se preparou para as olimpíadas de uma forma extraordinária, todos os monumentos foram restaurados, novos estádios construídos, novas estradas, e os aeroportos além de moderníssimos, são lindos.

 

No quesito compras a China enlouquece qualquer consumidor, desde as divertidas feiras com os produtos “made in China”, aos gigantescos shopping centers, com absolutamente todas as  lojas de grifes europeias famosas, deixando Paris no chinelo! 

 

 


Restaurantes:

 

 

 

Pequim:

Nobu:  dicas do que comer no www.papogula.com.br

Made in China:  Hotel Park Hyatt  para comer um pato Pequim (Pequim duck) delicioso. Almoço ou jantar.

Hotel Península, também tem um restaurante que serve um pato Pequim muito bem feito.

                  

Hotéis:

Recomendo ficar no centro antigo, o trânsito em Pequim é caótico e lá pode-se visitar a cidade proibida a pé e o comercio é ótimo.

Park Hyatt e Península são boas opções,

Pergunte a seu agente de viagens, existem vários hotéis nesta área .

www.amanresorts.com/amanatsummerpalace/home.aspx

 

Continua na próxima semana, estamos te esperando!

 

VIVI ROCHA para o 40 FOREVER

 

AC

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

9 ideias sobre “Vamos à CHINA? Com VIVI ROCHA, PARTE 1

  1. Vas amada , como eu tambem me chamo Maria, quem sabe na proxima trip voces me incluem ?
    Amei seu post e vou verificar as receitas divinas no papogula.com.br adoro tudo la, cada uma melhor que a outra !

  2. eu fui a China 1 mes antes das olimpiadas….tive um almoço private sensacional dentro da Cidade Proibida com todos vestidos com roupas da época…. inesquecivel!! e fui pro interior que vale muito a pena .. o meu maior problema na China alem da comida foram os chineses…. muito mal educados e a nossa guia em Pequim traduzia os cartazes com uma campanha para eles pararem de cuspir ….que é uma tradição meio nojenta ,né? bjos sempre bom voltar a viajar pelos olhos de outra pessoa ! Vivi descreve muito bem suas viagens!

  3. vivi,
    adorei seu post!
    me senti na china que sempre imaginei !
    seu olhar viajante é muito bacana e traduz com perfeição todo o encanto desse outro lado do mundo!
    quero mais!!!!!
    bj grande

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *