Como as personagens deste lindo livro, que deixam suas histórias pra conquistar o mundo, nosso vaso azul também abandonou a dele pra ser imortalizado por Guignard!

“Once upon a time, there was a magic kingdom and a beautiful blue vase, that one day became a star, by the hand of a glorious painter”…

Eis o lindo vaso azul, ainda em sua versão “Gata Borralheira”, esperando ser levado do marché francês!

Começo este post como um conto de fadas, pra mostrar que inclusive um lindo e solitário vaso pode ter seu dia de Cinderella e tornar-se uma celebridade do mundo das artes, como aconteceu com este azul, em questão. Portanto meninas e meninos, não percam as esperanças…

Nosso vaso azul já embalado pra posteridade, pelo grande Guignard!

Sua história começa na Paris do ano de 1951, quando uma ilustre senhora mineira o compra, no  “marché aux puces”, e muda a sua pacata vida: de um cidadão renegado e à venda, ele passa a fazer parte de uma das famílias mais divertidas que conheço, ancorada num matriarcado duradouro e que há várias gerações produz mulheres inesquecíveis como Marielza Lima, a dona do vaso.

Duas inspirações de Guignard, na mesma foto: uauuuuu, Marielza, bien sûre, e o vaso azul!

Única, cheia de energia, personalidade e atitude, Marielza, musa, inspirou também seu amigo e conterrâneo, o pintor Alberto da Veiga Guignard, que não só lhe pintou a beleza mas também a do seu vaso francês, imortalizando o segundo, pois a primeira já veio ao mundo FOREVER!

O lindo vaso pronto pra ir pro baile, já pintado por Guignard!

A legenda que o identifica no mágico mundo das artes!

Apesar de toda amizade que tenho pela família, foi o acaso e o flanar pela “Arte Rio” que me mostrou esta delícia de história ou domingo não é dia de curtir coisas lindas? BN

Se não fosse eu cruzar com a queridíssima Esther Lima, uma das cinco maravilhosas filhas de Marielza, num stand da Arte Rio, jamais teria esta linda história pra contar pra vocês… Portanto, flanemos muito nesta vida, daí virão os grandes encontros.. .THE (happy) END! 

 

Sérgio Rodriques é um dos principais designers brasileiros. Arquiteto enveredou pelo design de móveis na década de 50 e 60 criando o conceito de desenho de móveis genuinamente brasileiros.

A poltrona mole de 1957 é a minha preferida e a mais conhecida, mas meu coração também balança pela chifruda.

Tive o prazer de visitar seu showroom esta semana e o deleite de encontra-lo para um delicioso papo de fim de tarde.

Entrada de seu showroom, adorei a porta vermelha de laca! Muito chic!

Fachada do Showroom na rua Conde de Irajá com Roberto e Sergio.

 

 

 

Sergio e seu filho Roberto.

 

 

 

Adorei este cartaz.

Poltrona Beto.

Muitos dos  Palácios de Brasilia foram mobiliados por Sergio Rodrigues.

Mezzanino no Palácio do Planato com cadeiras Beto

Palácio do Planalto com as poltronas Beto

 

Poltronas Vronka no salão nobre do palácio do Planalto.

Rua Conde de Irajá, 63. Botafogo

Rio de Janeiro

+55-21 -25390393

sergio@sergiorodriques.com.br

www.sergiorodrigues.com.br

 

 

 

Igreja do Sangue Derramado em St. Petersburgo

 

Nossa querida amiga, Tininha Machado Coelho, volta ao 40 Forever como nossa convidada para contar sobre sua recente viagem para a Russia!

AC

 

Museu Historico Nacional ,Praça Vermelha

 

Russia


“Gosto muito de viajar, e mais ainda quando o lugar tem uma história rica como a da Russia…
O país que começou com os eslavos do leste, que surgiram como um grupo reconhecido na Europa entre os séculos II e VII, foi fundado e dirigido por uma classe nobre de guerreiros vikings e pelos seus descendentes. O primeiro Estado Eslavo do Leste, o Principado de Kiev, surgiu no seculo IX e adotou o cristianismo ortodoxo do Imperio Bizantino em 988, dando início à síntese das culturas bizantina e eslavaque definindo a cultura Russa.

A literatura  russa é muito famosa, com nomes como Pushkin, Dostoievski, Tolstoi, Tchekhov entre outros…Na música destacam-se grandes compositores : Tchaikovski, Rachmaninoff, Igor Stravinsky; na arte grandes  pintores: Mayakovsky, Malevich, Rodchenko, Kandinsky (que adquiriu nacionalidade francesa), e o grande Marc Chagalll;  na dança no inicio de sec XX os dançarinos russos de balé Anna Pavlova e Vaslav Nijinsky. O balé soviético preservou e aperfeiçoou as tradições do século XIX e as escolas de coreografia da União Soviética produziram muitas estrelas de renome internacional, como Maya Plisetskaya, Rudolf Nureyev e Mikhail Baryshnikov. O Balé Bolshoi em Moscou, e o Balé Mariinsky, em São Petersburgo, tornaram-se famosos em todo o mundo.

 

HERMITAGE em St. Petersburgo

 

St. Petersburgo

É uma cidade federal da Rússia localizada às margens do rio Neva, na entrada do Golfo da Finlândia, no Mar Báltico. Os outros nomes da cidade foram Petrogrado (1914–1924) e Leningrado  (1924–1991).
Fundada pelo tsar Pedro, o Grande, em 27 de maio de 1703, serviu de capital do Império Russo por mais de duzentos anos (1713–1728 e 1732–1918). St. Petersburgo deixou de ser a capital em 1918, após a Revolução Russa de 1917.
O termo “tsar” ou “czar” tem a sua origem na palavra latina Caesar.

 

 

Entrada do Hermitage

 

Um dos principais cartões postais da Rússia, a Igreja Ortodoxa da Ressurreição em St. Petersburgo, mais conhecida por ter sido construída no exato local em que o Imperador, Czar Alexandre II foi morto. Detalhe da fachada.

 

Cabana onde morou Pedro , O Grande, durante 5 anos depois que fundou St. Petersburgo

 

Palácio de Catarina I. A residência teve origem em 1717, quando Catarina I encarregou o arquitecto Johann-Friedrich Braunstein de construir um palácio de Verão para seu prazer.
É aqui que fica a famosa Camara de Ambar que infelizmente não pode ser fotografada…

 

Camara de ambar ( foto internet)

 

Salão de Baile do Palácio de Catarina, a Grande

 

Detalhe da frente do Palácio

 

 

Detalhe da Igreja do Sangue Derramado

 

 

Reprodução da noite em que mataram Rasputin…
O Palácio dos Prícipes Yusupov, uma das familias mais ricas, nobres e famosas da história da Rússia.
Nesta casa, numa sala na cave, preparada para esse fim, foi assassinado Rasputin por um grupo de monárquicos capitaneados pelos filhos dos donos da casa, cena que está ilustrada no próprio local por bonecos de cera.

 

Durante um banquete, foi oferecido a Rasputin um pudim contendo cianeto de potássio em quantidade suficiente para matar várias pessoas. Embora Rasputim tenha comido grande quantidade do pudim, ele não morreu. Por este motivo, e pelo fato de serem atribuídos poderes do mal ao monge, criou-se uma lenda de sobrenaturalidade envolvendo o fato.
A lenda só foi desfeita em 1930, quando foi descoberto que alguns açúcares, como a glicose e a sacarose, se combinados com o cianeto, formam uma substância praticamente sem toxicidade, denominada cianidrina. Posteriormente, Rasputin teria sido fuzilado, sendo atingido por um total de onze tiros, tendo no entanto sobrevivido; foi castrado e continuou vivo, somente quando foi agredido e o atiraram inconsciente no rio Neva ele morreu, não pelos ferimentos, mas afogado. Existe um relato de que, após o seu corpo ter sido recuperado, foi encontrado água nos pulmões, dando apoio à ideia de que ele ainda estava vivo quando jogado no rio parcialmente congelado.

 

DICAS DE RESTAURANTES EM ST. PETERSBURGO:

Terrassa – almoço
Grand Hotel Europa – Caviar Bar (jantar)
Cafe Singer (almoço)
Francesco (almoco e jantar)
Tsar
Davidoff dentro do Hotel Astoria (jantar)

 

MOSCOU: 

 

Está situada sobre o rio Moskva no Distrito Federal Central da Rússia europeia. No curso de sua história, a cidade serviu como capital de uma progressão dos estados, do medieval Grão-Ducado de Moscou, do subsequente Czarado da Rússia à União Soviética.

 

 

Marco visual mais conhecido da Rússia, a Catedral de São Basilio está situada no centro geométrico histórico de Moscou, ao lado do Kremlin, o conjunto de edifícios que sediam o Governo russo. Construída a mando do Czar Ivan, O Terrível, em comemoração à conquista de Kazan em 1552, a catedral passou ao longo dos séculos por reformas, ampliações, incendios e restauros.

 

Moscou é a sede do Kremlin, uma antiga fortaleza que é hoje a residência do Presidente russo e do poder executivo do Governo da Rússia. O Kremlin é também um dos vários Patrimônios da Humanidade na cidade, como ambas as câmaras do parlamento.
Curiosidade: com base na lista de 2011 da Forbes, Moscou tinha 79 bilionários, tirando de Nova York a classificação de cidade com o maior número de bilionários do mundo.

 

Este é o prédio da KGB conhecido como Lubyanka

 

“As Sete Irmãs” ou ” Os Sete Edifícios de Stalin”, como também ficou conhecido, é mais uma obra arquitetônica do período stalinista, marcado por obras gigantescas e majestosas, tais como o metrô de Moscou e o canal que liga o rio Moscou ao Volga, entre outras, e surgiu como o pináculo do “império stalinista” no pós-guerra, em termos de arquitetura urbana.

 

As famosas Matrioshkas…

 

Segundo a tradição russa, os casais recem casados devem se beijar numa ponte no dia do casamento, para garantir a felicidade. A “Ponte dos Beijos” sobre o rio Moskva, fica perto da Catedral do Cristo Salvador, e quase em frente ao Museu Pushkin. Na ponte são colocadas fechaduras com os nomes dos noivos e a chave é jogada no rio simbolizando fidelidade e amor eterno…

 

 

Dizem que quando este monumento em homenagem à a Colombo foi rejeitado pelos EUA, ele foi oferecido ao então prefeito de Moscou, Yuri Lujkov. A cabeça de Colombo (montada, aparentemente, por parafuso) foi removida e a cabeça de Pedro o Grande colocada…

 

Estação de Metro

 

 

Vista do Kremlin à noite do meu quarto do Hotel Kimpinski

 

DICAS DE RESTAURANTES EM MOSCOU:
Bosco ( tem dois: o Café e o Restaurante. No almoço vá ao Café e no jantar ao restaurante.)
Cafe Vogue (almoço e jantar, lindo! )
Uilliam’s ( jantar, restaurante da moda, reservar antes )
GQ ( jantar )
Cafe Pushkin
Bolshoi

 

TININHA MACHADO COELHO para o 40 FOREVER!

 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...