A Gucci comemora os 60 anos de seu mais icônico sapato já fabricado pela marca: o Horsebit Loafer. Me lembro, que meu pai me deu o meu primeiro mocassim quando eu tinha apenas 10 anos, e fiquei encantada. Morava em Paris no Faubourg Saint Honoré, onde até hoje mora minha mãe, ao lado da loja do Gucci e todos os dias passava e namorava a vitrine até que ganhei meu primeiro horsebit loafer que nunca mais esqueci, era marron de couro, lindo!  MP

Ele foi criado em 1953 para Aldo Gucci com inspiração equestre de um  bridão para adorná-lo. Desde 1985 o modelo faz parte do acervo permanente do museu Metropolitan de Nova Iorque.

Aos 60 anos a festa começou numa exposicão no Museo Gucci em Florença, uma cascata de sapatos na vitrine da Casa Gucci e uma campanha mundial.

Frida Giannini traz para a nova coleção a combinação de cores fortes e bastante variadas, novos materiais, muita camurça e verniz e o mesmo formato que inspirou um legado.

Clique AQUI para o post do Museu Gucci, e AQUI para a visita à fábrica do GUCCI em Casellina

Vejam como é incrível a fabricação de um mocassim.

http://www.gucci.com/us/worldofgucci/videos/1921-moccasin

 

 

Amo este “fortificante” para as unhas que automaticamente faz a melhor hidratação nas cutículas que já vi! Se as unhas estão uns “cacos”, passe isso que parece que voce acabou de fazer a melhor manicure do planeta!

 

 

Mas nem sempre é fácil de achar este creme do Dior… Então adorei esta dica que minha querida amiga, Claudia Serrano, deu, super fácil de se achar por aqui, o pincel abaixo da Sephora, que é pequeno e ela carrega na bolsa pra onde quer que vá, e tem um óleo que faz uma hidratação sensacional nas cutículas!

 

 

Afinal, nós aqui do 40 Forever e voces, nossas queridas leitoras, somos totalmente “unhas e cutículas”, inseparáveis!

 

AC

 

Vista de uma das varandas

 

Os bangalos dentro da mata e na beira do mar! Sonho!

 

 

Esta casa é um sonho em forma de arquitetura e decoração!

Sem nenhuma pretensão, tudo é muito chic, de um bom gosto sem fim, por todos os lados!

Composta de vários bangalôs, cada um mais charmoso que o outro, repleto de detalhes, que tenho certeza voces vão adorar ver!

As fotos foram tiradas pelo meu primo, super craque, JOAQUIM NABUCO.

 

AC

 

Os vários bangalos

 

A piscina da casa principal com borda infinita e vista para o mar…

 

Entrada para um dos quartos de hóspedes

 

Detalhe da marcenaria e do teto de bambu

 

Heaven!

 

Sala de visitas com uma vista…

 

Parece uma pintura!

 

 

Cestaria, muitos livros, lareira que é um charme só… Palha nas paredes…

 

Muita luz natural

 

A sala tem vários ambientes, divididos harmonicamente

 

Sala de jantar

 

Detalhe dos porta guarda chuvas para andar de um bangalo para o outro!

 

Chão de cimento com pigmento, muito lindo, e detalhes com as conchinhas da praia…

 

Móvel pintado com as vistas da casa!

 

Detalhe de outro chão!

 

Quarto com o “quadro” natural no meio: janela com a vista mais linda do lado de fora!

 

Banheiros super equipados, tem tudo!

 

Detalhe da pia mais tudo a ver com o lugar! Não é o máximo?

 

Piscina do bangalo da dona da casa, só pra ela!

 

Que deleite!!!

 

Outro bangalo de hóspedes, este com dois quartos!

 

 

 

Detalhe da marcenaria!

 

Tomara que me convidem pra ir lá!!

 

AC

 

Começo pelo “look final da mesa”, as velas acesas e “pano de lavanda”(para não escorregar” nos pratos, esperando os suflês individuais que estão a caminho….

 

Este jantar, only for “Doctors”, foi em torno do grande e querido doutor Silvano Raia, pioneiro de transplante de fígado no Brasil, maior cirurgião do órgão no país e também referência mundial na especialidade, que nos deixou muito felizes com sua visita.
Pra combinar com ele, quis fazer uma mesa masculina e clássica. Assim, escolhi uma louça de porcelana Limoges, pelos desenhos discretos e enfeitei a mesa com poucas flores monocromáticas, enfim, nada de muito extraordinário, pois os homens são de Marte, né?!…

 

A charmosa cidade de Limoges, capital da porcelana francesa!

 

Como nós somos de Vênus, e adoramos assuntos paralelos, achei que talvez gostassem de uma prosa sobre Limoges e sua famosa porcelana…
Esta encantadora cidade, no meio-oeste francês, situada na região de Limousin, foi fundada pelos romanos e viveu pacatamente até a Idade Média, quando os artesãos locais a puseram no mapa por tornarem-se mestres na produção de esmalte que decorava imagens e adornos religiosos. Não contentes, um belo dia do século XV, resolveram ampliar seus anteparos e passaram a enfeitar, também, as louças de cerâmica das famílias locais.

 

São Gregório, pintado em esmalte de Limoges sobre placa de bronze. By Jacques Loudin, séc XV

 

Prato de Limoges, esmalte sobre cobre, 1654, by Pierre Reymon!

 

Já que nada é por acaso, este treinamento secular formou uma mão de obra especializada e única (eles irão pintar a porcelana local), que somada à imensa jazida de Caulim descoberta na região em 1765 e às florestas locais (para abastecerem os fornos de queima da porcelana) formaram o triunvirato perfeito para transformar Limoges na capital da porcelana.

 

De Limoges, fábrica Comte D’Artois, por volta de 1784! Lindo!!!!

 

Dois esclarecimentos:
– Porcelana é uma invenção chinesa (foram eles que primeiro misturaram Caulim à fórmula da cerâmica, mudando tudo), nomeada e difundida na Europa por Marco Polo, e considerada mais nobre que a cerâmica por ser mais dura, resistente, translúcida, transparente e muito mais lisa de textura, já que não é porosa. Resulta numa peça mais requintada. Mas, aqui entre nós, amo também a rusticidade das cerâmicas. No meu campeonato, elas terminam empatadas…

 

Deslumbre em forma de cavalo: Porcelana chinesa da dinastia Tang. Durante ela a porcelana foi inventada!

 

– A porcelana de Limoge caracteriza-se por ser assinada pelo fabricante e ter o selo de Limoge, ambos na parte de baixo da peça. As primeiras eram pintadas à mão e depois passaram a imprimir os desenhos, como nas litografias. As porcelanas são, quase todas, esmaltadas e os desenhos variam entre padrões florais, desenhos de frutas, pessoas e animais. Motivos de paisagens são raros e caracterizam peças antigas.
Os produtores não passavam de 34 em 1900 e os mais prestigiados eram Sinclair (comparado a Fabergé), Haviland, Guérin e Latrille entre outros.

 

Eis uma linda xícara de chá Limoges, de 1893, da fábrica Haviland…

 

 

Vamos à mesa, tomara que ela não desmereça seu DNA. BN

 

PASSO A PASSO DA MESA:

 

Imitando Magritte “This is not a pipe”, esta não é uma toalha, mas uma colcha de cama indiana, que eu adaptei!

 

Como sempre, marquei o centro da mesa.

 

Experimentando a distribuição dos lugares…

 

Entraram os copos!

 

Entraram as flores: pus os bouquets para marcar os lugares femininos.

 

Misturei com a porcelana objetos de palha, pra contrastar. Aqui já entraram os bombons que me ajudam na hora da sobremesa…

 

PASSO A PASSO DO CENTRO DE MESA:

 

Esperando os quitutes….

 

Completo, esperando os convidados…

 

DETALHES:

 

Close num lugar à mesa!

 

Espalhei azeite pela mesa pois tinha arroz de pato…

 

Por uma fatalidade, quase fiquei sem meus queridos chocolates da Christianne Guinle… Aprendi um plano B mara: a Kopenhagen faz umas trufas divinas e “prêt-a-porter”…

 

Ufa, em cima do laço surgiram estas trufas surreais de limão siciliano: de comer rezando!

 

Trio da pesada: mini waffle dos deuses e torradinhas de pão árabe temperadas e feitas em casa: vício. Vou dar a receita!

 

Como não pude ir à Cadeg, ela veio a mim e com maestria: orquídea escolhida por telefone. São craques!

 

Os mini bouquets que marcavam os lugares das mulheres.

 

FICHA TÉCNICA:

FLORES: CADEG, Chico Farias Flores
Tel: +55 21 3860 8519 ou +55 21 3860 0043

DOCINHOS: Christianne Guinle
Tel: +55 21 3322 1522 ou +55 21 9648 9244

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...