Está imperdível a linda exposição em Londres das roupas inesquecíveis do talentoso designer VALENTINO.

Conhecido apenas por seu primeiro nome, Valentino, homem, e Valentino, a marca de moda, são inseparáveis. Em reconhecimento a este grande mestre da moda, a Somerset House apresenta: Valentino: Master of Couture, uma celebração da vida e da obra de Valentino Garavani Clemente Ludovico.

Esta exposição glamourosa se concentra exclusivamente na alta-costura criada pelo lendário designer italiano, e poderá ser vista de 29 de novembro até 3 de Março de 2013.

 

 

 

Com uma carreira de 50 anos, há muito o que mostrar e o show abrange mais de 130 desenhos feitos à mão usados por ícones como Jackie Kennedy Onassis, Grace Kelly, Sophia Loren e Gwyneth Paltrow. Dentro da coleção haverá vestidos da passarela de alta costura e do “red carpet”, ao lado de projetos encomendados por clientes privados, dando aos visitantes uma visão única por trás das passarela e dentro do mundo “Valentino”.

 

 

 

Conhecido por suas relações bem estabelecidas com as mulheres mais glamourosas do mundo (ele pode citar princesas, primeiras-damas e ícones de Hollywood como clientes), mestre da Haute Couture, a exposição destaca o vestido vintage usado por Julia Roberts no Oscar em 2001, o vestido de casamento de Jackie Onassis de 1968 e vestido de casamento de seda usado pela princesa Marie-Chantal em 1995, incrustada de pérolas marfim.

 

 

 

 

 

A fim de apresentar os trabalhos de uma forma única, a Somerset House foi transformado por Kinmonth Monfreda, colaborador de longa data de Valentino, em uma passarela onde os visitantes tomam o lugar das modelos na pista de 60 metros. Em torno das bordas da passarela está a “platéia”, onde se vê os vestidos de Valentino couture, incluindo vestidos de noite, terninhos, minis, capas, e kafkans. A apresentação mostra as peças  ordenados por tema, em vez de data, colocando junto os tons de preto e branco, e o famoso vermelho Valentino.

Mostra-se também fotografias inéditas pessoais de Valentino no trabalho e em casa. Assim como uma série de filmes feitos especialmente no atelier dele, mostrando o detalhe de como produzir uma peça Valentino.

Os visitantes também têm a oportunidade de interagir diretamente com a exposição que tem conteúdo multimídia permitindo mergulhar ainda mais no legado Valentino.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Valentino: Master of Couture

de 29 de novembro até 3 de Março de 2013, Somerset House Strand Londres WC2R 1LA.

 

AC

Os craques Antonio Dias e Vanda Klabin se encontram numa linda exposição, relatada abaixo pra vocês!

Hoje temos o privilégio e a honra de receber, de novo, a queridíssima Vanda Klabin, embaixatriz do BLOG no mundo das artes, pra nos contar novidades deste reino mais que encantado.

Para o meu particular deleite, e espero que pro de vocês também, o star da vez é um dos artistas brasileiros contemporâneos mais importantes, o “one and only” Antonio Dias. Vanda conta sobre a linda exposição de Dias, da qual ela foi curadora, que está na Galeria Athena Contemporânea, no Rio, até o final de outubro.

Imprimindo fotos sobre tela, a partir de originais de polaroide, o artista fez intervenções sobre a superfície das fotos impressas enquanto as revelava, no final dos anos 1980. Depois, digitalizou e o que veremos é o resultaldo, impactante, deste processo complicado e que me foi explicado pela comtetente Vanda. Leiam, vejam e curtam! BN 

VANDA KLABIN:
” A obra de Antonio Dias, vasta e complexa, se desenvolve  em um território de significações ambíguas, muitas vezes irônicas, repletas de inúmeras questões que permeiam os conceitos fundamentais do território plástico. Ao longo de décadas, ele trabalha com diversas linguagens artísticas, diferentes materiais e universos heterogêneos, em um ritmo  flexível e intenso de expansão e experimentações: pinturas, gravuras, obras sobre papel, discos, desenhos, objetos, fotografia, cinema, videos e instalações sonoras.

Residiu em diversas cidades e  estabeleceu diferentes ateliês, alguns permanentes, como no Rio de Janeiro, Milão, Paris e Colônia e outros transitórios, como no Nepal, Recife, Nova York e Berlim. Nesses deslocamentos constantes, estabeleceu pontos de contato com a produção local e a internacional e trouxe sempre à tona uma constelação de informações e referências dentro das quais sua obra  se movimenta, sempre impulsionada  pela necessidade irrequieta de explorar novos caminhos na sua produção.

A fotografia  passou a integrar a sua obra como um elemento substantivo, adquiriu uma potencialidade, um vocabulário e um universo próprio, dentro do seu trabalho. Nesses trabalhos percebemos  a reunião de dois recursos estéticos independentes: a captura do real, através de uma  câmera polaroide, e a transferência para a tela, onde são estabelecidas equivalências poéticas através desse quase olhar da câmera, na passagem para a tela.

Nessa fronteira entre a pintura e a fotografia, a série de polaroides permite uma anotação rápida, um registro transitório e requer uma outra frequência que se prolonga ao romper as estruturas que a separam da pintura gestual, criando um mistura de linguagens que alimenta a pulsão do olhar.

A captura  é o primeiro foco de atração:  parecem guardar uma imediaticidade da experiência, reter o singular. Explora a idéia do efêmero como passageiro, transitório. Na iminência de uma dissolução, ganha uma presença permanente. A obra sai da câmera para uma imersão cromática e se consolida em um outro  meios de expressão, originando trabalhos independentes e rematerializados um novo territórios geográfico. Francis Bacon mencionava que, para  ele, as fotografias não são somente ponto de referências, muitas vezes elas são detonadoras de idéias.

Antonio Dias revela uma relação  sensual com a matéria, dando  aos seus trabalhos uma espessura significativa  e um contorno  impreciso e ambíguo, elementos que estão sempre presentes e que são os componentes constitutivos  da sua poética: o lugar da arte e do artista, as associações entre texto e imagem, o uso da ironia como linguagem, as formas geométricas, as discussões sobre política, poder, sexo e  sedução.

Nas suas palavras: “Todo trabalho deve ser inteligente, mas é importante, ao mesmo tempo, colapsar o entendimento. Todo trabalho bom, realmente inventivo, vai contra a lógica e a razão”. Antonio Dias, jornal O Globo,10 setembro de 1985.” VANDA KLBIN

OBS: Todas as fotos postadas são da exposição e têm a autoria de Eduardo Masini!

VANDA MANGIA KLABIN
Tel   +55 (21) 2267-2662
Cel   +55 (21) 9986.9256
vklabin@terra.com.br

FICHA TÉCNICA:
GALERIA ATHENA CONTEMPORÂNEA:
Avenida Atlântica, 4240, lj 211 Copacabana, RJ

A charmosérrima Patrícia Brandão enfeitando o nosso BLOG hoje!

Hoje nosso BLOG recebe a visita da grande “hostess” do Rio, a amiga Patrícia Brandão e competente organizadora das principais atrações da nossa cidade, que nos conta sobre a linda exposição “Al- Andaluz: As core Mouras de Granada”, da artista plástica Mitzy Bergallo que abalou a serra petropolitana, neste feriado de Corpus Cristi. Vamos curtir seu relato! BN
Patrícia Brandão: “Convidada pela querida amiga Bebel Niemeyer , estou fazendo meu papel de “Blogueira por um dia”, com muito orgulho, pois já trabalho como colaboradora para vários veículos, mas fiquei extramente feliz em acompanhar a evolução e o sucesso do 40 Forever de amigas que começaram, sem grandes pretensões, um blog com charme e bom gosto que virou acesso obrigatória das descoladas e elas, quem diria, foram  parar até na Ana Maria Braga, chapeaux meninas. (O BLOG agradece as palavras  generosas da nossa querida Patricia.)
Meu post será sobre  a belíssima exposição da artista plástica Mitzi Bergallo, mulher incrível, culta, viajada, elegante naturalmente, que casou-se cedo, aos 19 anos, e por isso largou seu curso de belas artes .
O tempo passou e somente se reencontrou com a arte, a sua verdadeira paixão, ao 48 anos. Começou um trabalho frenético em seu atelier no Joá , como uma busca do tempo perdido. Mas valeu e muito, Seu trabalho foi descoberto por grandes nomes da decoração e arquitetura como Patricia Marinho, Lila May, Fernada Pessoa de Queiroz e Cynthia Pedrosa entre outros .
No ano passado, Mitzi visitou pela primeira vez o Alhambra, em Granada e caminhando pelos seus palácios e jardins, suas longas alamedas repletas de velhos ciprestes, invadida pelas luzes e as cores douradas e avermelhadas da primavera andaluz e as imagens dos mosaicos dos palácios, inspirou-se para esta exposição.
Sexta-feira, dia 08 de junho, Mitzi Bergallo abriu sua primeira exposição solo, com doze telas inéditas pintadas em tinta acrílica sobre cânhamo. O lugar escolhido foi o charmoso Empório Maria Maria, em Itaipava, numa noite fria e agradável, regada a vinhos espanhóis, gazpacho e música flamenca, como na Andaluzia!
Sucesso absoluto, abaixo algumas imagens para vocês conferirem”. Patrícia Brandão!
(Obs de BN: suas telas estão expostas na charmosa Maria Maria, misturadas ao acervo da loja. Achei simpaticíssimo!)
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...