A ARTE DE HENRIQUE OLIVEIRA, por VANDA KLABIN

 

Beleza de arte de Henrique de Oliveira! BN

 

Feriado à vista, precisamos organizar a nossa programação, eu e os cariocas que não vão viajar neste carnaval mas que declinarão dos três dias de folia. Nada melhor, então, que programas culturais que fazem e descansam as nossas cabeças exauridas do batidão do dia-a-dia: “peguemos” um cineminha e/ou façamos um tour pelos museus, galerias e centros culturais.

Para nos dar uma divina dica do que ver, volta ao BLOG hoje, para nossa alegria, a maravilhosa Vanda Klabin, contando sobre sua mais nova curadoria. BN

 

HENRIQUE DE OLIVEIRA, por VANDA KLABIN!

“Inquietas por natureza, as obras de Henrique Oliveira parecem ignorar equilíbrio e estabilidade, nunca estão apaziguadas. São superfícies conflituosas em permanente pulsação, desarmando a inércia do nosso olhar cotidiano. Henrique Oliveira solicita que o espectador abdique de suas noções convencionais de espaço e se entregue para uma nova experiência que sinalize o mundo real com suas fissuras, tensões e enigmas a serem decifrados. A maior parte de suas obras, repletas de membranas e camadas, conduz a um jogo perceptivo: grandes blocos de madeira estão dispostos no espaço, e a nossa percepção é colocada em xeque e se revela tensionada, entre um fluxo orgânico e a matéria.

 

A sua formação acadêmica foi em artes plásticas – pintura e poéticas visuais –, mas foi o tecido da vida urbana que despertou o seu interesse, criando um novo espaço para a arte transitar. Essa tessitura anônima, essa espécie de ordem desordenada, esse enxergar pelas fendas as frações do caos urbano são apropriados pelo olhar do artista como um ingrediente ativo para o seu trabalho.

 

A madeira é a superfície mais ativa e presente. As suas obras realizadas com tapumes parecem guardar a imediaticidade da experiência, reter o singular. A madeira é obtida após um grande processo de garimpagem, recolhida nas ruas ou oriunda do descarte de materiais de construção. É um trabalho que se constrói a partir do recolhimento de restos do passado. Seu vocabulário traz uma reunião poética de elementos pertinentes a uma realidade urbana: corta fragmentos de madeira como uma colagem às avessas, desloca os tapumes do contexto original e os ressignifica, criando cicatrizes abertas que seguem o curso do imprevisível.

 

Nos zigue-zagues de sua trajetória, problematiza e tensiona as suas obras tridimensionais pela adição, acumulação e saturação dos elementos, verdadeiras construções espaciais, criando novas experiências perceptivas. Seus trabalhos lançam mão de recursos centrais da arte de nossos dias: a intervenção no espaço expositivo, as grandes dimensões, o rigor no uso de materiais inusitados, uma consciência aguda da história da arte e do lugar que ocupa nela, um diálogo culto com diferentes ressonâncias da arte contemporânea.

A sua pintura, com vibrantes contrastes, harmonias dissonantes, grumos espessos e com alta voltagem cromática, tem uma conotação ambígua e é também transformada em linguagem tridimensional a desdobrar-se no espaço. Apresenta planos populosos, superfícies ofegantes com pequenos núcleos de saturação pictórica. Enfatiza a matéria com grossos impastos irregulares, múltiplas camadas, e as pinceladas vívidas, nervosas, criam uma espécie de engarrafamento cromático nas suas linhas escorridas e ondulantes.

 

Sua arte tem frescor, força estética, gosto pelo improviso, urgência e intensidade. A presença enigmática de sua obra, o agenciamento e a aglomeração de fragmentos que se agregam para formar unidades intensas são dissonâncias que estão sempre materializando um gesto novo, uma zona de turbulência quase desconfortável. A constituição precária e ancestral da madeira e a pintura que se constrói e se reconstrói como uma malha flutuante detêm um conteúdo, uma história e uma verdade que são impressos no mundo. O fluxo poético de seu trabalho tece um imprevisível diálogo visual, que irradia um ímpeto contemporâneo e uma energia plástica que se mantém aberta às experimentações”. Vanda Klabin

 

 

 

CONTATO DE VANDA KLABIN
Tel   +55 (21) 2267-2662
+55 (21) 2522-5624
Fax  +55 (21) 2523-9335
Cel   +55 (21) 9986.9256
vklabin@terra.com.br
vklabin@gmail.com
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

9 ideias sobre “A ARTE DE HENRIQUE OLIVEIRA, por VANDA KLABIN

  1. Que trabalho mais estupendo…. Onde ele está sendo exposto?
    Também vou passar o Carnaval por aqui, assistindo aos filmes indicados ao Oscar, e tentando driblar os blocos para encontrar amigas ou ver obras de arte como essa (se bem que, durante o Carnaval muito museus estarão fechados, não é mesmo?).
    Ah, q saudades do Rio que ficava “às moscas” durante o Carnaval…. essas bandas de rua ficaram tão gigantescas que deixam a gente ilhada e o transito caótico!!!

  2. O Henrique foi um dos vencedores do Prêmio CNI SESI Marcantonio Vilaça para as Artes Plásticas e tem trabalhos divinos, dentre eles uma instalação feita por ocasião da 7. Bienal do Mercosul, em Porto Alegre, chamada Tapumes- Casa dos Leōes e outra que fez na Rice Gallery, em Houston… Show !!!! Parabéns pelo post, adorei! Bjs, Claudia

  3. na qualidade de curadora da exposição de henrique oliveira, agradeço todos os comentários a respeito da exposição, mas ela estava em cartaz desde 01 de dezembro de 2012 e encerrou agora, em fevereiro.
    o artista está em agora paris, fazendo residência e preparando a exposição que fará no palais de tokyo, paris, em junho de 2013

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *